sábado, 23 de abril de 2011

NANs

A comunidade mudou de nome (e foi criada outra) por motivos misteriosos e explicações sem nexo algum. Eu não entendi direito toda a confusão envolvendo as partes e por isso não vou comentar nada sobre isso no blog - eu posso estar errada -, mas não posso deixar de reclamar sobre a explicação que deram devido à mudança de nome. De acordo com o que sei, a Pat e a Ren não tem nada a ver com isso e, de acordo com o que também consegui entender, tudo foi devido à uma garota que achou rídiculo a dona da comunidade, a Ren Deville, se considerar uma NAN quando seu nome de usuário no orkut é inglês.
Agora eu digo: Você tem algum problema? Sério? Porque, até onde eu bem sei, todos tem o direito de usar o nome que quiser no orkut. E até onde também sei, todas as palavras da própria língua portuguesa derivam do latim, grego, francês e (o mesmo fruto de toda a intriga) inglês. Não vejo como esse pode ser um motivo tão forte para toda a confusão que se repercutiu. Também não vejo a lógica da explicação que dizia que a comunidade NAN mudaria porque o termo não condizia com o nome, já que alguns autores escreviam livros que se passavam nos EUA ou qualquer outro país, quando NAN é só aquele que faz uma história baseada no Brasil.
Vou dizer uma coisa: se eu quiser fazer a minha história na Chechênia, a minha história VAI ser na Chechênia e ninguém vai me impedir de fazer isso. A mente de um escritor é confusa, quando você tem uma ideia, você a molda, trabalha em cima dela e, às vezes, a história vem pronta para você, com lugar, personagens e tempo para acontecer. Dizer que minhas histórias tem de se passar em terri´tório brasileiro porque senão não serei uma NAN (que é NOVA AUTORA NACIONAL e não LIVROS QUE SE PASSAM NO BRASIL), é o mesmo que colocar uma grande e enorme parede criativa na minha mente.
E isso não é papo de artista surtado.
Não é só porque escrevi um livro que se passa na Irlanda que eu gosto menos do meu país. Eu adoro o Brasil. Mas o único lugar que me proporcionava o ambiente que eu queria para desenvolver a história, era a Irlanda com todo o misticismo e conto de fadas das suas terras. Não quer dizer que eu odeie meu país e, por isso, escreva sobre os EUA, França ou tanto faz. Nós somos escritores, somos NANs, e podemos escrever sobre o que quisermos, onde nós quisermos. Ninguém pode nos ditar isso, ninguém pode nos recriminar por escrever do jeito que escrevemos. Somos criativos e somos brasileiros e temos muito orgulho disso.

"NAN é um termo criado por Ren Deville"

8 comentários:

  1. Comemorando um ano de blog!
    Deixei um mini desafio no meu blog
    Pega lá gêmea

    :**

    ResponderExcluir
  2. apesar de nao ser uma NAN (bem, por que é uma comunidade brasileira e nao portuguesa)concordo plenamente contigo. tenho livros que se passam nos USA (maior parte deles), outros na minha terrinha, e alguns no céu ou no inferno por que assim tinha que ser! se fosse eu tinha mandado essa p*ta pó caralh* mais velho por que se ela nao gostou, nao tinha nada que vir comentar! os escritores sao seres que têm que ser livres, ninguém deve dizer para eles o que é que têm que escrever - raras as excepçoes - e ponto final no assunto!

    ResponderExcluir
  3. Oi, queria saber aonde eu posso ler a sua série "O País do Vento" e a outra também, "Borboletas Negras"... Obrigada

    ResponderExcluir
  4. Oi! Então, esse blog aqui foi desativado porque foi hackeado --' então eu mudei pra cá: http://steilein-amanda.blogspot.com
    Lá tem os links das comunidades pra vc acessar :)

    Att,
    Amanda Steilein.

    ResponderExcluir
  5. Olá ,se quiserem participar da promoção no meu blog e ganhar marcadores entre no link.
    http://girlsebooks.blogspot.com/2011/07/promocao-marcadores-guardians.html

    Bejos

    ResponderExcluir
  6. na verdade, Ren é japonês, mas enfim HUAHUAHUA e Deville é frances, mas enfiiim novamente 8D

    ResponderExcluir
  7. amei. seguindo! segue de volta? gracielelongo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Não entendi nada, mas pelo que li não tinha nenhum motivo pra garota fazer o que fez.
    Bom, realmente quem escreve tem e pode fazer a estória passar onde quiser, é meio absurdo vc querer que a estória se passe somente no Brasil. Muito sem noção.
    Seguindo seu blog, obrigado pela visita.
    Resenha #60 - Dezesseis Luas
    Confere lá!
    Manuscrito de Cabeceira
    Beijos.

    ResponderExcluir