domingo, 20 de março de 2011

Resenha: Princesa Para Sempre, Meg Cabot

Depois de muito drama hoje, do tipo ficar correndo atrás do meu priminho de um ano que acabou de aprender a andar e parece que é a coisa mais importante do universo mexer em tudo que envolva vidro e pontas, depois de gritar "Kalleo, não os meus LIVROS!!" e correr feito uma louca antes que ele depredasse um dos meus lindos e fofos companheiros de tédio -qw, consegui, finalmente, terminar de ler Princa Para Sempre. E eu posso dizer uma coisa: UFA. De qualquer modo, hoje aqui na minha cidade choveu Mas que novidade, estou realmente surpresa. Fala sério. O que mais parece acontecer por aqui ultimamente é chuva, enchente e a galera correndo pra levantar móveis. e eu realmente não tinha mais nada para fazer do que ler. E, bem, superei a expectativa de uma semana para ler o livro. De qualquer modo, posso fazer a resenha hoje ao invés de semana que vem - mas isso vocês já deduziram, dã.


Não é preciso ser um gênio da língua portuguesa para se ligar que eu não faço resenhas no blog. Mais ou menos. É mais para um resumo baseado nas minhas opiniões sobre o que li. E, bem, resenhas não são assim. Elas exigem imparcialidade e, de verdade, estou trabalhando apra chegar lá.
Mas é tão difícil me manter neutra quando eu amo um livro ou quando eu detesto ;S E, cara, o Michael é tão fofinho *-*
Tudo bem. Vou tentar fazer uma resenha de verdade agora:


Princesa Para Sempre é o décimo e último volume da aclamada série O Diário da Princesa escrito pela diva Meg Cabot. A trama baseia-se nos dramas adolescentes e princepescos vividos por Mia Thermopolis, a princesa herdeira da Genovia que instaurou a democracia em seu país recentemente e conviveu com a ira passageira de seu pai e surtos constantes de sua avó, a princesa viúva Clarisse. Ao mesmo tempo em que não sabe para qual faculdade ir, Mia tem que lidar com o fato de que seu ex-namorado, Michael, voltou após dois anos no Japão para produção de um CardioBraço, lindo e milionário.
Houve um crescimento da personagem no último livro, ela se demonstra menos infantil e mais madura, desligada de alguns pensamentos e manias que antes não condiziam com uma postura adulta. Ao mesmo tempo em que gostei do desfecho da história e do final da série, achei que a narrativa era um pouco cansativa. É claro, sempre estava acontecendo alguma coisa, mas às vezes a autora não menos diva por isso, rum dissertava páginas sobre um mesmo tópico que não era tão importante assim. Mas, além disso, tudo se redime com a sólida personalidade desenvolvida para os personagens, o que é complicado de manter numa série de dez livros. Lilly, Boris, Tina, Lana, JP, Michael e até a própria Mia permanecem com os mesmos príncipios e jeitos, de modo que você não se confunde e não se perde na leitura devido à uma falha no roteiro. É também interessante a abordagem da autora para com as tentativas frustradas da Mia de publicar o seu livro sem o título de princesa acompanhando seu nome e ainda mais o modo como algumas pessoas desencorajam tal coisa. É interessante porque tenho certeza de que a própria Meg Cabot já passou por isso no começo e não só eu, mas como várias outras autoras e autores independentes estão passando neste exato momento - rejeição de editoras, pessoas que você adoraria que te dessem força dizendo que é pura besteira e por aí vai. Mas Mia não desiste e não deixa que ninguém a desanime, mesmo com todos os motivos do mundo para isso: a falta de atração pelo seu namorado atual, a atração avassaladora pelo seu ex, a briga com a ex-melhor amiga e, claro, o dilema para decidir em qual faculdade estudar.
O livro é muito bem escrito e os dramas hiperbolizados são perfeitos porque é exatamente isso que adolescentes fazem. A autora não se perde em um "complexo de adolescência", utilizando gírias bastante improváveis e atitudes que não seriam viáveis. Só que não podíamos esperar menos de uma autora tão maravilhosa e linda, diva *-* como Meg Cabot.


Ah *-* Minha primeira resenha imparcial. Tudo bem. Talvez nem tanto. Eu tenho uma total queda pelos livros da Meg Cabot, ela é minha inspiração, vocês sabem, a autora que eu mais admiro no mundo [aa] Mas, de qualquer modo, acho que consegui ser imparcial quanto a história. Eu nem dei spoiler. E também não surtei pra falar do casal, como eu sempre faço.
[aa] Michael e Mia *-* [aaaaaa]


xoxoxo :*

4 comentários:

  1. gata, to de cara com seu blog, mto bom. fiquei sabendo que você escreveu um livro, é verdade? É que o lobo me disse, e esse cara enrola que é uma beleza, hahaha, quando sair me avisa? quem sabe... bjks

    ResponderExcluir
  2. Amanda do meu heart , fico feliz em saber que está gostando tanto assim do meu blog a ponto copiá-lo .Sério ,fico lisonjeada!!!nem me importei de não ver os créditos pela estrutura e perfil no rodapé do post.

    Eu não vou me identificar pois não quero levar este comentário adiante e muto menos transformar isso em algo maior..Mas você provavelmente sabe quem sou .E sei que as vezes entra no meu blog .

    Bom ,uma boa tarde e boas RESENHAS

    ResponderExcluir
  3. Oie!!!
    (sério, a pessoa que escreveu o comentário de cima está se sentindo demais, deve estar com inveja de vc)

    Bom, passei aqui para avisar que tem selinho pra vc no meu blog:
    http://universo-da-aninha.blogspot.com/2011/03/selinho_23.html
    Bjusss...

    ResponderExcluir
  4. - Obrigada Aninha, já peguei *-*

    - Escrevi sim *-* aliás, quem é? fiquei curiosa :*

    - Para o Anônimo: eur ealmente não to a fim de me estressar, mas as vezes é impossível quando as pessoas vem aqui no meu blog simplesmente me acusando de copiar as coisas e tal.
    SE EU TIVESSE COPIADO, eu teria CREDITADO.
    E não acho que vc não se identificou porque n quer repercursão de comentário. Eu tenho todo o direito de fazer esse comentário repercurtir. Acho sim que vc simplesmente n queria que eu fosse no seu blog tirar a coisa a limpo.
    PORQUE EU NÃO SEI DO QUE VC ESTA FALANDO MEU BEM.
    E para de ironia e sarcasmo para cima de mim.
    Pelo amor de Deus, vai fazer algo produtivo. (y)

    ResponderExcluir