domingo, 26 de dezembro de 2010

Medo e expectativa, desejo e uma promessa

Tenho medo. Ou talvez seja apenas receio. Mas, então, que diferença faz? Ambos caminham juntos, fantasmas da nossa consciência, atormentando-nos, fazendo-nos reféns de nós mesmos.
E se eu sorrir e fingir que tudo está bem? Alguém acreditaria na minha mentira. Eu, nem tanto, embora tentasse.
O tempo. Uma vez me disseram que ele cura tudo. Não acreditei na época e não acredito agora. Ele ajuda a cicatrizar uma ferida física, mas não tem experiência alguma com uma emocional. De uma forma ou de outra, intensa ou não, a dor sempre vai estar ali.
Esperando.
Esperando alguém remexê-la e acendê-la outra vez.
Só podemos desejar que algum dia alguém chegue e não faça doer. Alguém que coloque a mão sobre a sua e diga: “Eu estou aqui pra você”.
Alguém que prometa ficar.

2 comentários:

  1. Já disse que você escreve beem?

    Muito beem mesmo. Isso é lindo isso.

    Gosteei.

    Beijinhoos

    Jenny

    ResponderExcluir