sábado, 17 de abril de 2010

Exista !

Vamos quebrar protocolos, ignorar as regras e gritar onde diz silêncio. Vamos rir de logaritmos, mandar para os quintos tangentes e senos e completamente não aprender a fazer uma conta que envolva radianos e PI. Dane-se o que pensam os outros sobre sua filosofia. Filosofia não é isso? Pensar? Seus pensamentos? Suas idéias? Então para que dar moral aos desocupados que nem se dão ao trabalho de pensar por si mesmos e riem de coisas assim porque todo mundo ri? Vamos ter atitude, dizer que a primeira ida à lua foi uma farsa, que os americanos monopolizam, que o Mcdonalds é cheio de gordura e hormônios e por isso os americanos de catorze anos parecem ter dezessete e outros parecem ser medidos por dilatação volumétrica. Vamos é rir de quem diz que a Microsoft é a melhor. Vamos sorrir quando levar um fora, rir quando terminarem com você e fazer as pessoas te perguntarem porque ainda esta sorrindo. Porque a vida é bela – literalmente. A vida é cheia de coisas para se viver e temos tão pouco tempo para fazê-los. Então para que perder tempo se importando com o que vão pensar quando você passa na rua ou em como você está vestido quando vai para a missa? Dane-se se pensam que você é louco, dane-se se alguém julga você ignorante. Ignorância não é sinônimo de burrice. Ignorância é ignorar e sim, eu ignoro. Muito mesmo. Vamos fracionar nosso tempo e gritar que vinte e quatro horas é pouco. Risque as que você dorme. Ou então simplesmente não durma. Problema quitado. Deixe de ir numa festa aonde todos vão – provavelmente vai ser chato. Ria quando disserem que todo mundo vai. E daí? Eu sou todo mundo? Vamos é erguer a cabeça diante da derrota, apertar a mão do inimigo e sorrir para ele. Se discutir, faça isso com classe. Não fale palavrões. Ou melhor, fale-os. Às vezes um palavrão resume tudo o que você sente e assim você alivia seu peito. Tiro e queda. Diga não as drogas, pra quê matar a si mesmo quando já há possibilidade de tantos outros fazerem isso com você? Vamos ler – nem que sejam mangás. Vamos ponderar o que dizem nossos pais, eles sempre têm razão, mas só percebemos isso quando temos a idade deles. Vamos questionar o porquê temos que fazer assim e não assado, vamos expor nossas opiniões e não basear-nos no que os outros já disseram. Exceto pensadores como Nietzsche, mas pense duas vezes antes de acreditar em Platão ou Marx. Leia Lobsang Rampa, você verá a vida de outro jeito, porém ignore totalmente Paulo Coelho. Vamos assistir American Idols e nos negar a assistir Ídolos. Os americanos são mais bonitos e cantam melhor, além de fazerem mais sucesso quando o programa termina. Ou melhor, assista X-Factor. Mas os americanos ainda são cheios de hormônios ingeridos nos hambúrgueres e são obesos por causa da excessiva quantidade de coca-cola ingerida a 70cents. Critique os políticos, diga que tudo é uma corrupção imensa. Você não estará mentindo, pela primeira vez na sua vida. Diga que se forem seguir a política do Tio Sam, melhor que se enforquem numa árvore. Uma bem alta para não ter o risco dos pés encostarem no chão. Preste atenção no enredo de um filme de drama. Você não vai chorar depois dos erros de percurso que achar lá. Assista a um filme de terror e ria dos efeitos especiais toscos. Porque eles são toscos. Diga que é catchup. Não, diga que é sangue sintético, tudo feito especialmente para o filme. Não grite quando o mocinho for decapitado e nem chore quando o mesmo morrer – filmes de terror são assim, finais idiotas, enredos idiotas e efeitos especiais grotescos. Vamos admitir que escutamos músicas modinhas. Todo mundo escuta. Forçadamente ou não. Experimenta ligar na Atlântida. Provavelmente ta tocando Lady Gaga. Agora muda pra Jovem Pan. Talvez seja Restart. Melhor assumir do que ser pego ouvindo escondido. Porque você já fez isso – admita. Vamos dizer não à Malhação aos sábados. Você agüenta essa merda em dia de semana? Imagine aos sábados. Trágico ao extremo. Vamos usar palavras diferentes como eufemismo, antagonismo, ceticismo, amabilidade. Quando falar de uma zona, diga prostíbulo. A frase não ficara tão vulgar e a pessoa provavelmente nem vai saber do que você esta falando. Esqueça o que te disseram sobre primeiro amor. É tudo uma bosta e você sempre se arrepende. Você esquece mesmo com todo mundo dizendo que não. Primeiro amor é tudo menos inesquecível. Não fique na fossa por isso. Você só vai crescer, lembrar disso e dizer “putz, como eu fui idiota”. Simplesmente não ligue pro que dizem. Principalmente pra mim. Isso é o que eu acho, são meus princípios, você tem os seus. Viva através deles.
by Amanda Steilein

6 comentários:

  1. Ai Amanda como você é cabeça, viu?! Admiro muito seu jeitinho de ver o mundo e pensar criticamente... Você é uma graça...

    Máh Belikova

    ResponderExcluir
  2. Ain, obrigada *-* sabe, as vezes eu fico refletindo que ninguém lê meus textos além de um amigo meu (# olha só, a Máh lê! :D
    Você também é uma graça querida :*

    ResponderExcluir
  3. Nossa...eu consigo imaginar esse texto na ZH tipo "Coluna Steilein",
    todo sábado hein?!hein?!
    Parabéns Amanda!!!
    =D
    BJuhss
    Caroli's

    ResponderExcluir
  4. Aaah Carol *-* Obrigada mesmo! #fiquei com vergoinha agora.

    bjs :D

    ResponderExcluir
  5. Claaro que eu leio, Amadinha!!! Leio e gosto muuuito!!!! Mesmo não podendo ver todos os dias, leio toodos os posts e comento sempre que posso *ou a inspiração deixa!! rsrs*
    Parabéns pela pessoa que você é! Muuuito sucesso para você!!!

    Máh B.

    ResponderExcluir
  6. aain obrigada *-* tipo, é bom saber que as pessoas leêm o que eu posto (mesmo que agora eu tenha soado totalmente piegas).
    sucesso pra você tmb Máh !
    beeeijos :*

    ResponderExcluir